Fotografo: Jorge Gauthier/CORREIO
...
Sem Legenda

A luz da santidade de Irmã Dulce é a esperança para que as obras sociais fundadas por ela saiam do vermelho. Essa é a esperança partilhada pela sobrinha de Dulce, Maria Rita Lopes Pontes, que é atual superintendente das Osid. 
 
"Eu acho que, após a canonização, é necessário dar mais visibilidade à sua obra e poder realizar os sonhos que ela ainda continua sonhando lá do céu, de atender cada vez mais e melhor", afirmou Maria Rita em entrevista coletiva realizada no manhã desta quinta-feira (11), no Vaticano. Ela estava ao lado dos representantes dos cinco beatos que se tornarão santos no domingo. 
 
No ano passado, a Osid, que atende 3,5 milhões de pessoas de graça por ano, fechou com déficit de R$ 11,2 milhões. Maria Rita, que assumiu as obras desde 1992 quando a tia morreu, destaca que o maior desafio agora é investir na questão operacional. 
 
Sobrinha da freira, Maria Rita ressalta que a canonização acontecer agora - 27 anos após a morte de Dulce no terceiro mais rápido processo de santificação do mundo - será um bálsamo para as Osid.
 
"A canonização acontece em um momento que a obra precisa se reestruturar. Nos últimos 27 anos de ausência física de Irmã Dulce a parte de atendimento cresceu muito, mas a área operacional vem sendo muito sacrificada. Ela não cresceu muito e precisa de uma melhoria na qualidade. Agora, precisamos aproveitar esse apoio para melhorar as condições", reforçou a superintendente.
 
"Irmã Dulce dá uma lição muito importante para nós de que o poder não está no dinheiro. O poder está no amor em quando você ama e se doa a uma causa. Ela mostra de que dinheiro não tem valor. Você consegue tudo através do amor e da solidariedade. Essas são as lições que ela deixa para nós", afirmou Maria Rita.
 
Questionada pela imprensa italiana sobre a coincidência da canonização de Dulce acontecer no mesmo momento do Sínodo da Amazônia, Maria Rita destacou o patriotismo de Dulce. 
 
"Ela era uma patriota e se preocupava com tudo que acontecia no Brasil. É uma coincidência importante pois sei que ela se preocuparia  com isso", disse a sobrinha da freira. Na coletiva, ela destacou ainda que autoridades como o vice-presidente Hamilton Mourão e o ex-presidente José Sarney estarão em Roma para a canonização.
 
Além de Irmã Dulce, serão canonizados os seguintes beatos: John Henry Newman, cardeal, fundador do Oratório de São Filipe Néri na Inglaterra; Giuseppina Vannini (no século Giuditta Adelaide Agata), fundadora das Filhas de São Camilo;  Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, fundadora da Congregação das Irmãs da Sagrada Família e Margherita Bays, Virgem, da Ordem Terceira de São Francisco de Assis.