Fotografo: Lucas Figueiredo/CBF
...
Sem Legenda

Um dia antes do Brasil entrar em campo contra a Argentina, o técnico Tite já tinha admitido que estava sem dormir direito por causa de Lionel Messi. E foi o próprio craque do Barcelona que garantiu a vitória dos hermanos por 1x0 sobre a seleção canarinho, nesta sexta-feira (15), em Riad, na Arábia Saudita. O resultado marcou a 5ª partida seguida que a equipe nacional não consegue um triunfo.
 
Após a partida, Tite falou que é natural uma cobrança pela sequência ruim e avaliou o desempenho do grupo.
 
"Primeiro, é saber que essa pressão é inevitável, a grandeza do cargo e da seleção, é inevitável. Saber desempenhar em cima disso é o primeiro passo. Vi um primeiro tempo bom, com domínio, mesmo não tendo as reais oportunidades. No segundo tempo, não. Botei pivô, dois jogadores como pivô, um aberto pelo lado esquerdo, Coutinho por dentro, buscamos alternativas para isso e não tivemos. Quando não tem o resultado, um conjunto de fatores pesa, inclusive emocional. Mesmo em jogos preparatórios, a grandeza do clássico traz isso", falou Tite.
 
"Em jogos com essa grandeza, quando tu sai com o resultado na frente, tem toda uma estratégia que passa a ser modificada. Um time mais posicional e outro que quer agredir, fomentar. Teve no primeiro tempo uma vantagem considerável, não traduziu em gol e saiu atrás", disse o técnico.
 
Durante o duelo, o treinador promoveu as seis substituições disponíveis. Nos casos de Renan Lodi e Fabinho, a avaliação foi positiva. "Aqueles jogadores que entraram bem, vamos tentar ajustar. Fabinho entrou bem, Lodi entrou bem. Você começa a ter versatilidade. Não estou falando que eles vão jogar. Quando trouxemos dois meias consolidados, deixando o Firmino na frente, ele (o sistema) trouxe um 'up'".
 
 
O próximo jogo do Brasil será na terça-feira (19), às 10h30, contra a Coreia do Sul. O foco é voltar a vencer - mas com calma. "Há necessidade do resultado, sim. Há momentos de pressão e esse é um. A forma que vamos buscar é com discernimento, de maneira criteriosa, mas a necessidade do resultado se dá, sim. Mesmo num momento de preparação", comentou.
 
"Eu vou refletir em cima de posicionamentos e em cima de desempenhos individuais. Hoje, o jogo se caracterizou por contato físico também. Vimos quase que duelos individuais. Falei com o Scaloni e ele disse que sofremos no primeiro tempo, pressionávamos e não conseguíamos tirar a bola, mas não traduzimos em gol".