Fotografo: Fabiano Bastos/Embrapa Cerrados
...
Sem Legenda

O mercado físico do boi gordo segue com preços em forte alta nas principais praças de produção e comercialização do país. “A conjuntura do mercado pouco mudou, com uma notável combinação de restrição de oferta e aquecimento da demanda, culminando no ápice dos preços internos desde a criação do Plano Real”, comenta o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.
 
Segundo ele, no interior de São Paulo, a arroba chegou a ser comercializada por R$ 181, batendo recorde deste mesmo ano, que era de R$ 180. Para ele, a oferta de animais de terminados seguirá restrita, ao menos até meados do primeiro trimestre de 2020.
 
“Com isso, os operadores do mercado aguardam por altas ainda mais consistentes no decorrer do último bimestre de 2019”, assinalou.
 
Em São Paulo, a médias dos preços passaram de R$ 175,00 a arroba para R$ 176,00 a arroba. Em Minas Gerais, preços de R$ 170,00 a arroba, contra R$ 168,00 a arroba ontem.
 
No Mato Grosso do Sul, os preços subiram de R$ 165,00 a arroba para R$ 167,00 a arroba. Em Goiás, o preço disparou de R$ 160,00 a arroba para R$ 166,00 a arroba em Goiânia. Já no Mato Grosso o preço subiu de R$ 156,00 a arroba para R$ 157,00 a arroba.
 
Atacado
No atacado, os preços da carne bovina ficaram estáveis. “A tendência de curto prazo é de continuidade do movimento de alta, em linha com o aquecimento da demanda durante o último bimestre. O viés é acentuado pelo encurtamento das escalas de abate de boi gordo, fazendo com que os frigoríficos encontrem dificuldade na formação de seus estoques”, disse Iglesias.
 
O corte traseiro teve preço de R$ 14 por quilo. A ponta de agulha permaneceu em R$ 9,30 por quilo, enquanto o corte dianteiro seguiu em em R$ 9,40 por quilo.
 
Câmbio
O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 2,2%, sendo negociado a R$ 4,0810 para venda e a R$ 4,079 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,9780 e a máxima de R$ 4,09.