Fotografo: Ministério da Agricultura
...
Sem Legenda

Os preços do boi gordo continuaram firmes nas principais regiões produtoras do país nesta quarta-feira, 23. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o cenário no geral apresenta poucas mudanças. “A oferta de animais terminados segue restrita, resultando em uma maior dificuldade na evolução das escalas de abate. A incidência de contratos a termo, tradicional a esse período do ano, é menor de 2020. Importante ressaltar que a oferta de animais de safra será discreta no último trimestre, consequência da estiagem prolongada que atrasou o desenvolvimento dos animais de pasto, que devem estar aptos ao abate apenas no primeiro trimestre de 2021”, assinala.
 
Em São Paulo, Capital, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 254 a arroba, estáveis na comparação com a terça-feira, 22. Em Uberaba, Minas Gerais, a cotação ficou em R$ 252 a arroba, ante R$ 251. Em Dourados, no Mato Grosso do Sul, os preços ficaram em R$ 250 a arroba, inalterados. Em Goiânia, Goiás, o valor indicado foi de R$ 242 a arroba, estável. Já em Cuiabá, no Mato Grosso, o preço subindo, chegando a R$ 236 a arroba, ante R$ 234 – R$ 235 negociados na terça.
 
Atacado
No mercado atacadista, os preços da carne bovina seguem firmes. Conforme Iglesias, o ambiente de negócios sugere pela retomada do movimento de alta ao longo da primeira quinzena de outubro, período que conta com a entrada dos salários como motivador da demanda. “As exportações permanecem em bom nível, reiterando a presença da China no mercado, importando volumes substanciais de proteína animal”, diz. Com isso, a ponta de agulha seguiu em R$ 14,20 o quilo. O corte dianteiro permaneceu em R$ 14,25 o quilo, e o corte traseiro seguiu em R$ 18 o quilo.
 
Câmbio
O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 2,24%, sendo negociado a R$ 5,5920 para venda e a R$ 5,5900 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,4920 e a máxima de R$ 5,5950.