Fundado pelo jornalista Tico de Oliveira em 12 de junho de 1987 - E-mail: jornalimpactoconquista@gmail.com

Cidadão Repórter

77 98839-2585
Vitória Da Conquista(BA), Sábado, 17 de Abril de 2021 - 01:39
01/04/2021 as 11:10 | Por EstadãoConteúdo | 387
Café: indústria de solúvel quer estimular acordos para ampliar exportação
Dos mais de 120 países que adquiriram o produto nos últimos 10 anos, apenas 38 aplicam tarifa inferior a 5%. Alguns impostos chegam a 45%
Fotografo: Divulgação
Sem Legenda

A indústria nacional de café solúvel quer ampliar o mercado mundial do produto por meio de projeto setorial. “As ações do projeto pretendem turbinar as estratégias para alcançar a meta de crescimento de 50% no volume exportado no período de 2016 a 2025, que foi estabelecido no plano estratégico de desenvolvimento do café solúvel do Brasil, que elaboramos em 2015”, afirma em nota o diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics), Aguinaldo Lima.
 
No ano passado, os embarques alcançaram 4,1 milhões de sacas, gerando divisas de US$ 537 milhões. O consumo interno também cresce, aproximando-se do equivalente a 1 milhão de sacas em 2020, ou 4,5% do total de café consumido no Brasil.
 
Conforme a Abics, o Brasil, por falta de acordos comerciais, enfrenta forte taxação no café solúvel. Dos mais de 120 países que adquiriram o produto nos últimos 10 anos, apenas 38 países aplicam tarifa inferior a 5%. Nos demais, impostos de importação oscilam de 6% a 45%, provocando impacto direto na competitividade com países concorrentes que detém acordos comerciais.
 
“Queremos estimular acordos comerciais juntos aos governos dos diversos países clientes do café solúvel brasileiro, incluindo a sensibilização do governo federal na inclusão do produto em acordos comerciais de blocos econômicos, negociações bilaterais, acordos tarifários individuais e pontuais, entre outros”, diz em nota o diretor da Abics.
 
O projeto foi assinado nesta quarta-feira, 31, entre os presidentes da Abics, Pedro Guimarães, e da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Sergio Segovia, em evento virtual. A Abics e Apex-Brasil definiram os principais mercados para as ações do novo projeto: China, Cingapura, Coreia do Sul, Filipinas, Turquia, Mianmar, Indonésia, Emirados Árabes e Arábia Saudita.
 
Há mais de 50 anos, o Brasil é líder mundial na produção de café solúvel, com representatividade de 14,6% do mercado global, e também na exportação, com market share de 15,4%.
 
Existem seis indústrias em operação no país que, em 2020, processaram o equivalente a mais de 5,1 milhões de sacas de 60 kg de café.

 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil