Fotografo: Ascom
...
Sem Legenda

A solicitação foi feita pelo deputado estadual Eduardo Salles nesta terça-feira (5) durante audiência com o presidente da Bahia Pesca, Marcelo Oliveira. O parlamentar pretende que a análise laboratorial feita pelo órgão estadual em peixes, mariscos e crustáceos em Salvador, região metropolitana e litoral norte ocorra também nos animais das regiões baixo sul, sul e extremo sul da Bahia.  
 
“Acredito que a análise laboratorial do que é pescado e consumido vai mostrar se peixes, mariscos e crustáceos sofreram qualquer tipo de contaminação ocasionados pela mancha de óleo que chegou à costa nordestina nos últimos dois meses”, justificou Eduardo Salles.
 
“Caso a análise da Bahia Pesca comprove que não houve contaminação, os pescadores e marisqueiras poderão vender seus produtos”, disse o deputado. “Como a população não sabe se está seguro consumir o produto, a procura por peixes, mariscos e crustáceos caiu muito, acarretando prejuízos a quem vende”, emendou Eduardo Salles.
 
Após a análise laboratorial, um relatório será enviado à Diretoria de Vigilância Sanitária do Estado, que determina a qualidade do pescado.
 
O trabalho de coleta é dividido em quatro etapas: identificação das áreas afetadas pelo derramamento de óleo, visita às comunidades pesqueiras impactadas, coleta dos exemplares e entrega ao laboratório para análise da segurança do consumo do pescado.
 
Apenas em Salvador, Itaparica, Vera Cruz e Litoral Norte até a divisa da Bahia com Sergipe, a Bahia Pesca estima que 16 mil pescadores foram afetados, direta ou indiretamente, pelo óleo que chegou à costa.
 
“A investigação sobre as condições sanitárias desses produtos é uma de nossas prioridades, de modo que a Vigilância Sanitária possa descartar riscos ou, se for o caso, recomendar a suspensão da comercialização de peixes e mariscos”, explica Marcelo Oliveira.