Fundado pelo jornalista Tico de Oliveira em 12 de junho de 1987 - E-mail: jornalimpactoconquista@gmail.com

Cidadão Repórter

77 98839-2585
Vitória Da Conquista(BA), Sábado, 17 de Abril de 2021 - 02:13
07/04/2021 as 20:20 | Por CorreiodoPovo | 175
Dia Mundial da Saúde destaca os desafios da área
Entre tantas dificuldades causadas pela pandemia, campanha da OMS visa “construir um mundo mais justo e saudável”
Fotografo: Ricardo Giusti
Com o agravamento da Covid-19, hospitais e profissionais enfrentam uma dura realidade a cada dia

O Dia Mundial da Saúde é anualmente celebrado em 7 de abril, desde a década de 1950. A comemoração, que foi uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), aborda temáticas diferentes a cada ano. Na edição de 2021, a campanha da OMS é “construindo um mundo mais justo e saudável”. Para marcar a data, diversas entidades que representam os profissionais da área da saúde no RS e gestores de hospitais de Porto Alegre falam sobre os desafios enfrentados desde o último ano, sobretudo em relação ao combate à Covid-19. A doença, segundo os especialistas, trouxe o desconhecido e uma grande necessidade de resiliência e superação diária. 
 
Para o membro do Conselho de Administração do Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (Sindihospa), Jorge Bajerski, as principais dificuldades ao longo da pandemia dizem respeito às condições de manter os hospitais funcionando em um cenário que já se prolonga há mais de um ano. “Isso realmente exigiu de todos os gestores e profissionais uma força descomunal do ponto de vista físico, emocional e, ainda, ter condições de enfrentar um dia a dia tão duro, principalmente aqueles que estão na linha de frente”, frisou.
 
Conforme Bajerski, todas as estruturas hospitalares foram afetadas pelo contexto pandêmico e todas as rotinas mudaram. “Tivemos que refazer nossos processos de trabalho muito rápido, pois a pandemia não nos permitiu ter tempo para planejamento”, destacou. Além disso, ele enfatizou a prática do distanciamento dentro dos hospitais, do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) que não eram usuais para a maioria das pessoas e o reforço dos cuidados para proteger as equipes. “Tudo isso trouxe para a realidade dos hospitais um mundo completamente diferente”, pontuou. 
 
Universo desconhecido exigiu resiliência
A Sulmed manteve os atendimentos normalmente desde os primeiros casos de Covid-19 no Estado. Apesar de seguir recebendo pacientes, foi necessário adaptar os protocolos de distanciamento e higienização, bem como os fluxos diferenciados nas unidades para os pacientes com suspeita ou com diagnóstico positivo da doença.
 
Segundo a gerente-geral Mara Regina Desessards, o maior desafio foi lidar com o desconhecimento sobre a doença. "Era uma coisa nova, que a gente não tinha conhecimento suficiente sobre, então fomos criando protocolos específicos para poder prestar bons atendimentos aos beneficiários", explicou. De acordo com Mara, a Sulmed buscou realizar diagnósticos com agilidade para evitar que os pacientes fossem hospitalizados.
 
Além disso, Mara ressaltou que, desde o começo da pandemia, a Sulmed tem feito um controle frequente e constante dos pacientes com Covid-19. Após o resultado do exame, as equipes da Sulmed entram em contato com os pacientes, repassam informações sobre a necessidade de isolamento social e ainda encaminham contatos diretos das equipes médicas. Para que os próximos meses sejam mais tranquilos, é preciso reforçar a conscientização e acelerar o processo de vacinação. "Acreditamos que se houver vacinação em massa e se a população entender que precisa reforçar os cuidados, as coisas melhoram.”
 
Hospitais e profissionais precisaram agir rápido 
“À medida que fomos conhecendo a doença, compreendemos que tínhamos condições de tratar e que era possível estruturar nossos hospitais, principalmente nossas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), para a demanda específica desse paciente que aparecia”, explicou a diretora-presidente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Nadine Clausell, em relação aos reflexos provocados com a chegada do novo coronavírus. 
 
Segundo ela, a pandemia surpreendeu pela magnitude e, também, pela duração. Entre os principais desafios no Clínicas, Nadine destacou que foi a criação de novos 105 leitos e a contratação de profissionais. “Recebemos 775 vagas específicas para Covid-19 e foi uma corrida para admitir essas pessoas nos processos seletivos para essa quantidade de atividades, então começávamos a entender o tamanho do problema”, frisou. Além disso, Nadine, que recentemente se tornou membro honorário da Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina, destacou que “ninguém imaginava que um ano depois estaríamos com esse grau de intensidade e de mortalidade, tanto aqui no Sul, quanto no Brasil inteiro”.
 
“Estamos todos os dias recebendo mais e mais pacientes, então tem uma coisa comportamental que poderia ter sido diferente se as pessoas compreendessem a gravidade”, reiterou. Para Nadine, o ano foi de muitas frustrações e cansaço. “Não vejo muita mudança, nos preocupamos com a circulação do feriado que passou e logo vai começar a esfriar, então estamos preocupados e temos muitos pacientes com outras doenças, que não deixam de existir”, destacou. Nadine ainda pontuou que 2021 “está muito comprometido” do ponto de vista de retomada das atividades da saúde.
 
De acordo com a gerente médica do Hospital Moinhos de Vento, Gisele Nader Bastos, o maior e principal desafio ao longo da pandemia tem sido a preservação das vidas. “O desafio foi conhecer um pouco mais esse vírus, cuidar dos colaboradores, a expansão dos leitos, a contratação de novos profissionais e as adaptações das rotinas”, disse. Segundo ela, um dos grandes desafios, do ponto de vista social, “é o entendimento de que a ciência tem que ser soberana”. “E agora temos o desafio de conseguir vacinas suficientes e rápidas para imunizar a população”, assinalou. 
 
Gestão de equipes e processos são essenciais
No Dia Mundial da Saúde, os responsáveis pela gestão dos principais hospitais referência para tratamento de pacientes com Covid-19 em Porto Alegre falam sobre as maiores dificuldades enfrentadas desde o início da pandemia até agora. O diretor técnico do Hospital Divina Providência, Willian Dalprá, enfatizou que o principal desafio foi adaptar tanto a estrutura hospitalar, quanto os processos de atendimento e distribuição das equipes. Apesar dos inúmeros desafios e da necessidade de organizar a gestão de equipes e processos, a dedicação e o empenho dos profissionais está sendo fundamental para superar a doença e salvar vidas. 
 
“Não havia uma habitualidade de tratamentos, diagnósticos, principalmente de desenhos assistenciais de formatos especializados nos hospitais para atender uma doença nova, com mortalidade muito alta e que se espalhava muito rápido", comentou. Conforme Dalprá, além de todas as alterações nos fluxos operacionais, foi fundamental focar na proteção das equipes.
 
A respeito dos desafios, o diretor-presidente do Grupo Hospitalar Conceição, Cláudio Oliveira, destacou as possibilidades de falta dos EPIs e das máscaras que se apresentaram no início da pandemia, bem como a manutenção de estoques de insumos. “Estamos vendo uma estabilidade e até leve redução da ocupação de leitos, nós esperamos que até a metade de abril nós tenhamos uma redução que nos dê a possibilidade de voltar com as cirurgias eletivas e os atendimentos de consulta, para poder também atender os pacientes que não tenham Covid-19”, frisou. “Temos que vacinar pelo menos 70% da população, com as duas doses, para que se tenha uma tranquilidade”, afirmou.
 
Entidades unem esforços para vencer a Covid-19
o das principais entidades médicas está sendo muito importante para enfrentar a pandemia e dar o suporte necessário sobretudo aos profissionais que estão na linha de frente de combate ao coronavírus. O presidente do Sindicato Médico do RS (Simers), Marcelo Matias, afirmou que a pandemia foi “uma escola de dificuldades” para a categoria. “Descobrimos que o sistema não estava pronto para enfrentar esse aumento de fluxo de pacientes e, ainda, descobrimos que as medicações necessárias para manter o suporte desses pacientes têm um limite de produção e distribuição, pelo menos nesse momento", reiterou. Matias destacou que “é preciso um sistema de saúde mais adequado e, para isso acontecer, é necessário que a população comece a fazer exigências com relação a essa questão. “Não estamos livres da pandemia, não temos uma perspectiva de finalização rápida do que está acontecendo”, assinalou.
 
O presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do RS (Cremers), Carlos Isaia Filho, reiterou que “está sendo um momento de grandes desafios”. Com relação à pandemia, Filho comentou sobre a preocupação dos profissionais da categoria a respeito da disseminação de notícias descompassadas. “O que nos preocupa sob o ponto de saúde da saúde, também, é que juntamente com a pandemia e talvez em função dela, nós tenhamos tido um incremento de informações falsas”, pontuou. “A correta informação é a melhor forma de prevenção em saúde e isso não podemos perder”, destacou. 
 
De acordo com o presidente da Associação Médica do RS (Amrigs), Gerson Junqueira, após mais de doze meses de pandemia, os desafios foram vários. “Tivemos que aprender sobre o vírus e a doença, sobre como ela se manifesta clinicamente, a imprevisibilidade de acometimento individual, como cada pessoa responderia à doença e principalmente sobre o melhor manejo terapêutico, ainda mais nas formas graves”, assinalou.
 
Junqueira ainda ressaltou que estamos vivendo “uma nova realidade social, inimaginável até então, com mudanças no cotidiano, em todas as áreas, em todas as esferas”. Além disso, segundo ele, a falta de leitos, de insumos e de profissionais com experiência nessas áreas também têm sido dificuldades enfrentadas com frequência.
 
Para os representantes das entidades, há unanimidade sobre as expectativas para os próximos meses. Todos levantam a importância da vacina. Além disso, reforçam a necessidade de acelerar o processo de vacinação, dessa forma atingindo ampla e satisfatória cobertura vacinal pelo menos até o início do segundo semestre.
 
Imunização geral é a expectativa 
Mesmo em um cenário incerto, as entidades na área da saúde apostam na vacinação como uma forma de imunizar grande parte da população e, com isso, atenuar as taxas de ocupação de leitos nos hospitais. “A perspectiva para 2021 ainda não é a mais alentadora, esse quadro pode mudar se a gente conseguir realmente avançar com a vacinação, um percentual mais alto de pessoas vacinadas, significa que vamos diminuindo cada vez mais a pressão de doentes nos hospitais e vamos poder pensar em retomar uma vida normal na sociedade como um todo”, declarou o membro do Conselho de Administração do Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (Sindihospa), Jorge Bajerski.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil