Fundado pelo jornalista Tico de Oliveira em 12 de junho de 1987 - E-mail: jornalimpactoconquista@gmail.com

Cidadão Repórter

77 98839-2585
Vitória Da Conquista(BA), Segunda-Feira, 27 de Setembro de 2021 - 03:28
11/09/2021 as 11:44 | Por Veja/MSN | 259
Dose de reforço reduz risco de infecção por Covid-19, diz estudo de Israel
Até agora, mais de 2 milhões dos 9,3 milhões de habitantes de Israel receberam a terceira dose
Fotografo: Frank Augstein / POOL/AFP
Sem Legenda

Um estudo do Ministério da Saúde de Israel mostra que uma terceira dose da vacina Pfizer/BioNTech reduz significativamente o risco de infecção pelo coronavírus, incluindo a variante Delta, mais perigosa. Ao analisar dados do Maccabi Healthcare Services, em Tel Aviv, os pesquisadores descobriram que a taxa de infecção caiu de 48% a 68% em uma semana a 13 dias após a vacinação. Além disso, de duas semanas a 20 dias após a dose adicional, o índice caiu ainda mais - de 70% a 84%.
 
Lançado no MedRxiv, antes da revisão por pares, o estudo israelense conclui que há benefícios de saúde em curto prazo com a terceira injeção da vacina Pfizer/BioNTech. “Mais estudos são necessários para determinar a duração da proteção conferida pela terceira dose e seu efeito na doença grave”, concluem os pesquisadores, que incluem Daniel M. Weinberger, epidemiologista da Escola de Saúde Pública de Yale.
 
Até agora, mais de 2 milhões dos 9,3 milhões de habitantes de Israel receberam a terceira dose. Eles incluem 70% dos israelenses com 60 anos ou mais e cerca da metade com mais de 50 anos. Autoridades sanitárias em Israel também querem saber mais sobre a longevidade do reforço. Eles dizem que ainda não sabem se mais de três doses serão necessárias para proteger as pessoas, embora estejam avançando com planos para dar o reforço ao maior número possível de pessoas, pois a variante Delta continua a se espalhar.
 
A Organização Mundial da Saúde (OMS) queria que as nações mais ricas suspendessem a administração de reforços até que as pessoas dos países mais pobres recebessem as primeiras injeções. No entanto, Hans Kluge, diretor regional da OMS para a Europa, agora está dizendo que a dose adicional deve ser administrada às pessoas que estão em maior risco.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil