Fotografo: Reprodução
...
Divulgacao

EMATER–MG lança cartilha sobre prevenção do coronavírus durante a colheita do café
 
Publicação recomenda medidas específicas de prevenção durante o transporte de trabalhadores, alojamento, refeitório e trabalho de campo, além de boas práticas de colheita
É chegada a época da colheita da safra do café de 2020, e Minas Gerais, maior estado brasileiro produtor de café, deverá colher em torno de 30 milhões de sacas de 60kg, volume físico que representa mais ou menos 50% da safra nacional, produzidos em aproximadamente 460 municípios mineiros. Assim, os produtores terão o grande desafio de mitigar a contaminação do novo coronavírus, que causa a COVID-19, doença altamente contagiosa que pode implicar infecções respiratórias graves e, em casos extremos, levar a óbito.
Com o objetivo de auxiliar os produtores mineiros a enfrentar essa nova dificuldade, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais – Emater-MG lançou a cartilha “Orientações sobre prevenção ao coronavírus durante a colheita do café”, a qual contém um conjunto de informações básicas de prevenção ao vírus nesta importante etapa de produção de café.
Segundo a cartilha, a transmissão do coronavírus pode acontecer no contato com uma pessoa infectada, por exemplo, mediante um simples aperto de mão, e ainda por gotículas de saliva quando ela fala, tosse ou espirra. Também é possível contrair esse vírus pelo contato com objetos ou superfícies contaminadas, pois estudos indicam que o coronavírus pode sobreviver em superfícies de vidro, metal, papel e plástico por vários dias, caso essas superfícies não sejam higienizadas adequadamente. Desse modo, para evitar a contaminação, aconselha-se o distanciamento de pelo menos dois metros entre as pessoas, uso de máscaras, bem como a higienização sistemática das superfícies mencionadas.
Para conhecer as medidas de prevenção específicas para a colheita da safra de café de 2020, bem como boas práticas de colheita e pós-colheita, leia esta ANÁLISE/divulgação na íntegra na página da Embrapa Café,  do Observatório do Café e do Consórcio Pesquisa Café