Fundado pelo jornalista Tico de Oliveira em 12 de junho de 1987 - E-mail: jornalimpactoconquista@gmail.com

Cidadão Repórter

77 98839-2585
Vitória Da Conquista(BA), Segunda-Feira, 01 de Março de 2021 - 04:20
13/02/2021 as 18:27 | Por Danilo Sili Borges | 313
JUSCELINO, UMA ESPERANÇA
JUSCELINO, UMA ESPERANÇA
Fotografo: Reprodução
Divulgacao

JUSCELINO, UMA ESPERANÇA
Desde muito cedo, acompanhei política pelo jornal que meu pai comprava diariamente e pelas transmissões radiofônicas das sessões na Câmara dos Deputados. Assim, ainda na adolescência, vivi radiofonicamente toda a crise que desembocou no suicídio do Getúlio, fato que se deu quando eu tinha 13 anos. Depois acompanhei encantado, todas as noites, as gravações   das esgrimas verbais entre Carlos Lacerda, pela oposição, e o baiano Viera de Melo, líder do Governo Juscelino. Era tudo muito bonito, gente inteligente é outra coisa.
Outubro, 3, 1960. Eleições gerais no Brasil. A vassoura varria o país de ponta a ponta, aos meus 19 anos, pela primeira vez eu ia exercer o direito de escolher o presidente da República do meu país. Peguei no cabo de uma e coloquei outra, dourada, simbólica – um boton – na lapela e sai na tropa pelo que acreditava ser a restauração da moralidade na governança pública. Elegemos Jânio.
Aprendi! Nunca mais segui lideranças humanas ou pendurei no meu peito símbolos que exaltassem líderes carismáticos, semideuses, salvadores da pátria, moralizadores de costumes ou gritei seus nomes pelas praças. Desde os 20, sigo ideias, doutrinas, princípios, exemplos. Permaneço um cidadão consciente, acompanho a política do país e a internacional por dever cívico, mas falando a verdade, porque o debate inteligente, até mesmo a estratégia político-eleitoral e a exposição das propostas de soluções para os problemas da sociedade continuam me tocando profundamente a emoção e o intelecto.
Na política vale o debate. Combate é na guerra, quem troca uma coisa pela outra é covarde nas duas pontas.
No dia 1° de fevereiro tive um alento durante a posse do presidente do Senado, que em seu discurso, citou por duas vezes Juscelino Kubitschek, e o têm feito outras em seus pronunciamentos, relembrando as qualidades de moderação e de equilíbrio que o construtor de Brasília trouxe para a conturbada política da sua época. Pouco sei do senador Rodrigo Pacheco e esta crônica não é para lhe tecer loas, parece-me, no entanto, que há sinceridade em suas palavras, a memória de Juscelino já não traz votos. Os brasileiros não cultivam, infelizmente, os exemplos dos seus maiores e continuam pecando e voltando ao inferno tantas vezes seguidas.
Apesar de parecer, não há paradoxo em eu ter, por Juscelino, grande admiração e saudar seus procedimentos, em presença do que registrei nos parágrafos acima. Não estando entre nós, Juscelino não poderá mudar suas bandeiras, trair seus eleitores, trocar de amigos e de adversários. Se ele não o fez em vida, até onde sei, merece na eternidade o respeito de seus pósteros pela obra e pelo caráter. Durante sua vida, não me inscrevi entre seus fãs de carteirinha. Reservei-me sempre a liberdade que havia conquistado de não ser caudatário de ninguém – homem ou mulher –, de ser cidadão com plenitude de pensar para analisar e criticar como direito e dever.
A exacerbação político-ideológica, usada por lideranças que se propõem carismáticas, procura fazer a clivagem da sociedade entre “nós e eles”, tal como as empresas definem seus públicos-alvo, para dirigirem aos “nossos” suas propagandas. Como exemplo atual, pode-se observar o risco que corre a, antes sólida, democracia americana pela intensa pregação de ódio e violência entre grupos étnicos com fins de manipulação política, pondo em risco a própria hegemonia mundial do país.
Somente pelo apaziguamento da política, pela troca do combate pelo debate político, pelo pensar antes no Brasil e no seu povo sofrido e carente é que sairemos do buraco econômico, social e moral em que estamos enfiados até o pescoço.
Invocado, Juscelino, pelas qualidades de homem público que foi, que seja inspiração aos desvairados condutores da sofrida pátria para que parem de se agredir com paus e pedras – e que logo o farão com as muitas armas que estão providenciando – e permitam que voltemos a acreditar em nós mesmos, que deixemos, outra vez, de ter o complexo de vira-latas, que cresçamos a altas taxas, que voltemos a entrar no trilho do nosso futuro, com cada um, e todos, podendo dar com a força do nosso trabalho, que hoje nos é negado, a contribuição para um novo Brasil, como foi o Brasil de Brasília, o de Três Marias, o da Belém-Brasília.
Em tempo: Jânio, aos 7 meses de mandato, renunciou no dia 25 de agosto, depois de participar, pela manhã, das solenidades do Dia do Soldado. Ele não aceitou negociar sua permanência na presidência com nenhum grupo fisiológico do Congresso. Isso é História.
Crônicas da Madrugada. Danilo Sili Borges. Brasília – Fev.2021
danilosiliborges@gmail.com




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil