Fotografo: Tico Oliveira
...
Sem Legenda

Minhas rosas, estamos em uma cidade de gestão pública extremante vaidosa e descrente por segmentos da sociedade. A vaidade é uma palavra que significa: qualidade do que é vão, vazio e firmado sobre aparência ilusória. Não poderíamos classificar com outro significado o que presenciamos ontem, no que poderia ser uma simples transmissão de cargo no executivo municipal. O que presenciamos, parecia mais uma cerimônia de posse governamental com discursos políticos e de vaidade pessoal, o termo barraqueira foi usado como se uma barraqueira, se vangloriasse ao estudar e ter a condição de chegar a suprema corte com eficiência e desempenho na competência para se estabelecer. Na verdade, competência é o que está faltando mesmo no legislativo e executivo municipal, quando presenciamos entrevistas da vice-prefeita Irma, hoje prefeita numa cerimônia com pomposos salgadinhos, bolos e paetês. Na verdade, o que se exigira para tal ato seria um simples trâmite jurídico de assinatura de uma ata. Mas, no entanto, o governo que vem sendo taxado de rancoroso, perseguidor e de manobras políticas provincianas não enxerga um palmo a diante do nariz na derrota sob o descrédito junto a setores importantes da sociedade Conquistense. Isso ficou explícito no último pleito na derrocada do Prefeito nas urnas: Ficou sem vencer no pleito para presidente, governador e o que é pior, sem representante eleito com o seu apoio para o legislativo Estadual e Federal. Um governo em crise, mas, no entanto, falando e discursando em nome de Deus como se vaidade não fosse a maior arma do inimigo o imundo diabolizado. 
O que nós estamos presenciando a um ano das próximas eleições municipais é que a sociedade hoje já está dando respostas com a desaprovação do legislativo municipal e da gestão do prefeito Herzem Gusmão com índices superiores a 70% considerando as margens de erros das pesquisas. Nas entre linhas a cerimônia com lanchinhos e desfiles de roupas acabou na sujeira, que é um governo descrente da vaidade de querer mais dinheiro quando se quer pagar os compromissos na área da saúde pública que simplesmente é um direito constitucional do cidadão. A derrocada do executivo está na derrocada do legislativo se armando no toma lá dá cá, se dizendo representante de um povo que reprova as atitudes desses podres poderes. Que daqui pra frente, seja uma mudança de destinos pois, se conselho fosse bom, os poderes enxergariam nas sondagens a sua verdadeira cara de pau fazendo festa com pão e circo como se fosse na era dos orelhões sem o aparelho que denuncia com aplicativos as negociatas que estão por aparecer. Fica aqui o chavão para o executivo e legislativo a seguinte lição: Um governo que se confunde e não tem entrosamento: Explícito nas declarações da vice prefeita Irma Lemos, quando disse que se quer sabia que estava tramitando um empréstimo milionário no legislativo municipal, não tem realmente competência para gerir uma cidade que de dia falta luz e de noite falta água nas estradas doentes dos buracos nos transportes da saúde Municipal.
Antes que chegue realmente ao fim, "Legislativo e executivo de getőes provincianas, pautadas em Homenages de vaidades, pessoais. Aonde a vaca vai o boi cai atrás no despenhadeiro eleitoral" Será que Israel do muro das lamentações vai ajudar o Prefeito Herzem se arrepender do desastre administrativo e não se iludir que na volta a sua vice (Irma Lemos) no mínimo desentrosada administrativamente, estará com o cheque de 100Mi para mais pão e circo governamental? Fica aqui a nossa dúvida! E sinceramente, lamento muitíssimo!!!