Fotografo: Divulgação
...
Sem Legenda

Estamos vivendo um fato inédito na política Conquistense, onde nos deparamos nos últimos meses com denúncias de corrupção no legislativo e na esfera estadual com as graves denúncias envolvendo a parlamentar Dayane Pimentel (PSL) e a desembargadora ex-titular do tribunal de justiça, que se encontra presa por corrupção. 
As denúncias de vendas de sentenças vêm se arrastando na Bahia, algum tempo, mais se concretizou depois que o vereador David Salomão (PRTB) subiu na tribuna da câmara de vereadores de Vitória da Conquista e denunciou as vendas de sentenças no tribunal de justiça da Bahia.
A polícia federal deflagou a operação faroeste e já se encontra presa, a ex-presidente do tribunal de justiça, Maria do Socorro Barreto Santiago, em salvador ao se encontrar no fórum com a deputado, também denunciada de roubo de meio milhão de reais, depois de ser processado pela deputada o edil. David Salomão voltou acusar a política em voz alta nos corredores do Fórum Regional do Imbuí, nas palavras do vereador a deputada desviou verbas partidárias com candidaturas fantasmas. O que nos preocupa ainda mais é a condição que se encontra o legislativo Conquistense, dirigido hoje, por um vereador que também foi acusado de roubo de dinheiro público, mais precisamente nas palavras do vereador David Salomão o presidente da Câmara Luciano Gomes (PR), de Vitória da Conquista, é ladrão de verbas de gabinete e acusado de forjar, superfaturar  contratos e uma aprovação de um empréstimo de 60 Mi na casa do povo. 
O vereador David Salomão afirmou ao Jornal Impacto que não retira uma só palavra das acusações feitas ao vereador Luciano, que está sem responder até hoje a acusação inédita que consta em ata de corrupção na casa legislativa da terceira cidade do estado da Bahia. É de se preocupar as denúncias de acordos, também entre legislativo e executivo de aprovações de empréstimos com regime de urgências sem debates e com denúncias serias de projetos que ferem a constituição. Bem como o da Guarda Municipal que está na câmara também, tramitando em regime de urgência, e, já, tem aprovação das comissões, deverá ser pautado amanhã e na última sessão plenária para aprovação com denuncia de eleitoreiro e ante constitucional por falta de aprovação dos funcionários públicos por concurso público municipal.