Fundado pelo jornalista Tico de Oliveira em 12 de junho de 1987 - E-mail: jornalimpactoconquista@gmail.com

Cidadão Repórter

77 98839-2585
Vitória Da Conquista(BA), Sexta-Feira, 21 de Janeiro de 2022 - 18:06
01/01/2022 as 12:55 | Por Luiz Henrique Borges |
O magoado Jorge Jesus
Com o acerto feito, Jorge Jesus declarou sua mágoa.
Fotografo: Reprodução
Sem Legenda

 
 
Por: Luiz Henrique Borges
 
 
No decorrer da semana, as notícias que chamaram minha atenção se relacionaram aos treinadores, mais especificamente a busca do Flamengo por um treinador luso, a renovação de Enderson Moreira no Botafogo e a saída de Cuca do Atlético Mineiro.
O principal desejo do clube da Gávea era o retorno de Jorge Jesus. Marcos Braz e Bruno Spindel, dirigentes do Flamengo, chegaram a visitar o treinador em sua casa e parece que ele expressou seu desejo de retornar à Cidade Maravilhosa e ao Ninho do Urubu. Meu pai sempre afirmou que desejo ou ter vontade é muito diferente de poder realizá-la, simplificando, ele dizia: “desejo e poder são coisas diferentes”. Para que a vontade das partes se concretizasse faltava um aspecto que era bastante importante: o Benfica. 
Com o contrato em vigor, os portugueses teriam que ser ressarcidos na bagatela de 6 milhões de euros, aproximadamente R$ 39 milhões. A esperança rubro-negra de contratar JJ sem pagar a multa rescisória passava pela pressão que o treinador sofria em seu clube. A acachapante derrota para o Porto poderia ser a azeitona que faltava na empada. No entanto, os dirigentes benfiquistas ficaram bastante irritados com as conversas entre os representantes do Flamengo e JJ. Sendo assim, resolveram que o treinador só seria liberado com o pagamento da multa.
Como a negociação se arrastava mais do que o desejado, o rubro-negro começou a buscar por outras alternativas. As negociações não avançavam. JJ, por vezes, afirmava que queria retornar, mas que a decisão cabia ao Benfica. Em outros momentos, pedia mais prazo para se definir, afirmou um dirigente carioca. Como a “carta de intenções” não progredia em direção a um “termo de compromisso”, o que impacta e fragiliza o planejamento da equipe, o clube acabou contratando o também luso Paulo Sousa, técnico da seleção polonesa.
Com o acerto feito, Jorge Jesus declarou sua mágoa. Para o Mister, o Flamengo poderia ter esperado mais um pouco, pelo menos até o dia 30 de dezembro, quando o Benfica voltaria a enfrentar o Porto. O que não se sabia é que JJ seria demitido do Benfica ainda no dia 28. 
O capítulo final da crise foi detonado quando Pizzi, um dos atletas mais respeitados dos Encarnados, como é conhecido o Benfica, ter sido afastado após criticar a ausência do Mister nos vestiários quando da derrota para o Porto. A decisão do comandante foi contestada pelo elenco que decidiu realizar um motim e não treinou apesar da sessão de trabalho programada. 
A cisão com o elenco acarretou na demissão de JJ. A segunda passagem do treinador pela equipe lisboeta foi marcada por altos investimentos, muitas esperanças e fracassos esportivos. 
Só não sou capaz de entender, na novela que se desenrolou, dois pontos: a sanha, o incômodo do Benfica com as conversas que ocorreram entre o Mister e o clube da Gávea e a mágoa de Jorge Jesus em relação ao time brasileiro. Quando contratou Jorge Jesus, em 2020, o Benfica literalmente furou os olhos do Flamengo. Com contrato em vigor, por sinal recém renovado, os dirigentes lisboetas não se acanharam em conversar e fazer uma proposta bastante atrativa ao treinador.
Jorge de Jesus, por sua vez, além de se reunir com os dirigentes do Benfica, não sentiu o menor constrangimento, um mês após renovar o contrato, em deixar o Rio de Janeiro e retornar para o seu torrão natal. A pressão da família e o desejo de retornar ao Benfica que apresentou um projeto ousado foram os argumentos utilizados pelo técnico.
Com o projeto Jesus frustrado, o Flamengo partiu para cima do treinador da seleção polonesa, o português Paulo Sousa. Não tenho dúvida de que o novo técnico terá a companhia do inoportuno fantasma de JJ que se tornou ainda mais assustador e avantajado após sua demissão. Os torcedores, conhecendo o fim da história do Mister no Benfica, certamente elevarão o tom de suas cobranças se o trabalho de Paulo Sousa não emplacar de imediato. 
Acredito, ainda, que o fantasma lisboeta não é um risco apenas para o novo treinador, mas poderá ser um óbice ao sono tranquilo de Marcos Braz e Bruno Spindel. Por que não tiveram um pouco mais de paciência e esperaram as repercussões da derrota para o Porto para contratar Jesus? Pergunta muito fácil de ser formulada quando já se conhece o fim da história, mas difícil de ser equacionada quando se faz parte dela.
Apesar das notícias que se transformou em SAF e que aportes de recursos podem ser realizados pelo novo proprietário do Botafogo, o norte-americano John Textor, o alvinegro, ainda afogado em dívidas, acertou ao manter Enderson Moreira. Ele pode não ser Jesus, mas fez milagre ao retornar com o clube à elite do futebol nacional e conquistar o título da Série B. Além disso, ainda com o elenco bastante limitado, o treinador o conhece profundamente e, ao menos em 2021, soube maximizar o seu potencial e minimizar suas fragilidades. 
Em Minas Gerais, Cuca, surpreendentemente, deixou o Atlético após as importantes conquistas deste ano, alegando questões familiares. Os dirigentes alvinegros tentaram demovê-lo da decisão e chegaram a propor a possibilidade de conciliar suas dificuldades particulares com o trabalho. No entanto, o treinador afirmou que sua decisão era irrevogável e, em nota, afirmou que não dirigiria outro clube no próximo ano.
O Galo partiu em busca do seu novo treinador e contatou o sonho de consumo flamenguista. A negociação será difícil. O primeiro obstáculo será salarial. Jesus não aceitará um salário inferior ao que recebia no Flamengo, aproximadamente 3 milhões de euros/ano. Pensando na atual taxa de câmbio, o Atlético teria que desembolsar aproximadamente R$ 1,58 milhões/mês e o valor, em reais, pode aumentar caso a moeda brasileira continue seu processo de desvalorização.
Outra dificuldade é a própria reticência de JJ em dirigir outra equipe no Brasil que não seja o Flamengo. Finalmente, o treinador português possui entrada no mercado do Oriente Médio e há boatos que um clube saudita estaria interessado em sua contratação.
Imaginem, caso o Atlético tenha êxito com o Mister, a ironia e a pressão adicional que Paulo Sousa sofrerá no Flamengo. Diversão garantida em 2022. Termino desejando um Feliz Ano Novo, muita saúde e realizações para todos os leitores.
 
 
 
 
 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil