Fotografo: Reprodução
...
Divulgacao

“O TEMPO É O MAIOR INIMIGO DA DUPLICAÇÃO DA RIO BAHIA”                                                                                                    
 
     A concessão da BR-116 e BR 324 e que já se passaram 10 anos e muito pouco foi feito pela VIABAHIA, principalmente nas imediações da Região Sudoeste, sobretudo em Vitória da Conquista, que convive diariamente com acidentes, muitos desses com vítimas fatais, é inconcebível que não tenhamos os tão esperados VIADUTOS do anel viário, sendo inclusive o mais necessário o da URBIS VI, no perímetro urbano da cidade que além de congestionar o trânsito nas imediações as manobras são sempre arriscadas naquele cruzamento.                                                                                    É de responsabilidade da concessionária fazer além desses viadutos e passarelas no perímetro urbano, a duplicação é o que mais aflige a população, o mais grave é a falta de cobrança da ANTT no cumprimento de suas responsabilidades contratuais, o contrato de concessão foi no valor de R$ 5,7 bilhões e não sabemos como o governo tem recebido esse valor.                                                                                                                                                        É bom que a sociedade tenha consciência que, a duplicação e os viadutos não serão com recursos do Tesouro Nacional. ainda bem que assim não seja, pois o orçamento do País tem mais de 93% comprometidos com despesas de pessoal, repasses obrigatórios e demais despesas de custeio, o que inevitavelmente deixa a UNIÃO sem capacidade de arcar com os investimentos, se depender de disponibilidades orçamentárias.                                                       A obrigação de realizar é da VIABAHIA, que aliás tem sua arrecadação assegurada com os recebimentos de pedágio nas sete praças administrada por ela. Lamentamos que a vigência do contrato irá até 2035, para complementar os 25 anos de concessão.                                                                                                                                                                         Só nos resta cobrar o engajamento social para cobrar do Governo Federal resolva esse impasse, fazendo um Termo de Conduta ou se não houver consenso, inevitavelmente a solução é o rompimento do contrato para que possa vislumbrar algo promissor.                                                                                                                                                          
JOSÉ MARIA ALVES CAIRES