Fundado pelo jornalista Tico de Oliveira em 12 de junho de 1987 - E-mail: jornalimpactoconquista@gmail.com

Cidadão Repórter

77 98839-2585
Vitória Da Conquista(BA), Sexta-Feira, 22 de Janeiro de 2021 - 11:55
27/11/2020 as 19:49 | Por Sudoeste Digital | 221
Operação cumpre mandados de prisão contra 11 policiais militares por prática de milícia
O trabalho visa desarticular uma organização criminosa que vinha praticando diversos crimes de homicídio, tráfico de drogas, além de outros delitos típicos de atividade de milícia
Fotografo: Divulgação
Sem Legenda

Onze mandados de prisão são cumpridos nesta sexta-feira (27) nas cidades de Paulo Afonso, Lauro de Freitas, Camaçari e Salvador. A ação faz parte de nova fase da Operação Alcateia que investiga formação de milícia por policiais militares.
 
Dos 11 com prisão preventiva decretada, cinco foram presos temporariamente no dia 29 de outubro passado. São os PMs Júlio João Castor Júnior, o “Burra branca”, Sandro José de Oliveira, o “Lábios de mel”; Pedro Guibson Júnior, José Adelmo da Silva Feitosa e Valmir Dantas Félix, todos do 20° Batalhão de Paulo Afonso.
Naquela ocasião, o tenente-coronel Carlos Humberto, conhecido como “Cachorrão”, também foi afastado. Dois não-militares que também foram presos em outubro tiveram a preventiva decretada: Jeorge da Silva e Paulo Henrique de Souza Moreira, conhecido como “Paulinho” ou “Cego” .
 
Nesta sexta, os agentes colhem novas provas em endereços do tenente-coronel. Os outros policiais militares com prisão preventiva decretada são: George Humberto da Silva Moreira; Márcio André Ferreira Vaccarezza, Wesley Amorim Bulhões e Aislan de Andrada Cavalcante. Segundo o Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado (MP-BA), que comanda a operação, nessa fase os agentes coletam novas provas em endereços do tenente-coronel Carlos Humberto, que segue afastado.
 
O trabalho visa desarticular uma organização criminosa que vinha praticando diversos crimes de homicídio, tráfico de drogas, além de outros delitos típicos de atividade de milícia, como tortura e extorsão. Além do Gaeco participam da operação o Grupo Especial para o Controle Externo da Atividade Policial (Gacep), além de promotores criminais de Paulo Afonso e da Auditoria Militar, em conjunto com a força-tarefa da Secretaria de Segurança Pública (SSP) de Combate a Grupos de Extermínio e Extorsões.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil