Fotografo: Jornal Impacto
...
Primeira sessão com erro de português no painel e nos cartazes de protesto na Câmara

Na primeira sessão de 2019 da Câmara de Vereadores de Vitoria da Conquista, os jornalistas foram pegos de surpresa com a retirada do espaço destinado aos profissionais da imprensa, que leva o nome do radialista Gilson Moura, um  ícone do rádio conquistense. Indignado com a situação o jornalista Tico Oliveira não deixou por menos, foi veemente com os vereadores mostrando abertamente a sua indignação com a atitude dos parlamentares diante dos profissionais da área e também com a memória do radialista. "É um desrespeito com os jornalistas e principalmente com a família de Gilson Moura. Essa atitude da Câmara é lamentável, é um retrocesso, os jornalistas precisam desse espaço para trabalhar melhor, e além do mais cadê o respeito com a memoria de Gilson Moura? Como jornalista e o primeiro  a fazer um programa ao vivo no radio FM de Conquista na mesma rede em que o Gilson trabalhou nos anos 80 fiz parte também  da equipe esportiva na Am  e fiz o toca toca clube na 95.9. Estou indignado com esse despreso com o quarto poder." Afirmou Tico.
 
Vários profissionais da área e pessoas conhecidas da sociedade conquistense foram ouvidas e deram suas opiniões, como o ex- vereador Arlindo Rebouças, "Esse era um espaço que estava ocioso e foi bem aproveitado por vocês jornalistas. A Câmara tem dessas coisas, faz, gastam o dinheiro do povo e depois retira sem nenhuma justificativa. Eu lamento muito a retirada. 
 
O comunicador Massinha também deu sua opinião, "É uma surpresa pra mim, aliás, voltei os olhos para lá e estou vendo que falta aquele espaço. O presidente da Casa e a mesa que dirige o legislativo, são pessoas lúcidas, tranquilas, e na verdade deve ter ocorrido algum equívoco ." Concluiu.
 
O ex-prefeito Helio Ribeiro também se surpreendeu com a atitude do legislativo, "Fiquei surpreso, porque a imprensa deve ser livre, ter toda a liberdade de exercer seu trabalho. Se tiraram o espaço onde a imprensa exercia seu trabalho, acho que foi uma medida impensada." Argumenta.
 
O jornalista Gildásio Amorim ressalta a importância do local , "Esse espaço dava um suporte,  uma comodidade aos jornalistas, inclusive de outros locais, de outras cidades, que vinham fazer cobertura de eventos aqui."
 
O ativista do (MCMP) André Cairo, enfatiza a importância a memória, "É o nome de uma pessoa que fez história no rádio de Vitória da Conquista, com um timbre de voz maravilhoso, que foi Gilson Moura, e retiraram a placa com seu nome , retiraram tudo. Eu só digo que a Câmara repense e retorne esse espaço. Se registros históricos para nada servissem, para quê serve a memória?" Questiona.
 
Depois de dizer que o espaço era um elefante branco e  de muito burburinho durante a sessão, o presidente da Câmara Luciano Gomes (PR) garantiu que os jornalistas terão seu espaço de volta,  e que agora ficará na primeira fila do plenário, com o mobiliário destinado à impresa.
 
Tico Oliveira disse que o espaço no fundo com um praticável com uma altura considerável é mais interessante do que na primeira fila, segundo o jornalista as entrevistas e comentários não incomodam   o andamento da sessão, com, o praticável na frente vai ter muitas idas e vindas no corredor do plenário."Mas o importante é que quem tem ouvidos é para ouvi. E eu gritei em nome da imprensa e da memória do meu querido Gilson Mouro e foi importante eu questionar a respeito do desrespeito com a nossa imprensa  entrevistei  os deputados João Bacelar(PR-BA. Este garantiu que puxaria a orelha do seu correligionário e presidente da Casa do povo Luciano Gomes .Disse ainda  isso que aconteceu é um desserviço a sociedade , Ja Jurandir Oliveira (PP)  disse que a imprensa é intocavel, durante a sessão de abertura que no painel trocaram a palavra abertura por ( biruta ) dos trabalhos. Fiquei irritado tambem com ausência do prefeito Herzem  que segundo comentarios na Câmara por sindicalistas da área de educação com placas de protestos com erros gritantes de português, ele  viajou com receio de ser vaiado na casa do povo.Eu peço respeito ao trabalho impactante na casa do cidadão de bem '. Falou Tico Oliveira.