Fotografo: Sem Dados
...
Sem Legenda

A Prefeitura de Conquista anunciou que vai abrir licitação para duas empresas de transporte público e de uma espécie de consórcio de vans para atuar no município em, no máximo, 30 dias.

A informação foi passada pelo coordenador de Transportes, Micael Silveira, em audiência pública para apresentação e discussão do projeto base dos serviços de transporte público coletivo urbano no município, nesta sexta-feira, 16. 

A situação caótica do transporte público municipal em Conquista tem sido tema de artigos, reportagens e editoriais no Sudoeste Digital, com apoio do Núcleo de Jornalismo Investigativo (NJI). No mais recente, a reportagem aborda a questão no editorial: "A farra dos "buzus" alugados em Vitória da Conquista". LINK.

 

Segundo Silveira, serão dois lotes para ônibus e um terceiro misto para vans que operam em bairros afastados do centro. Sustentou que o consórcio de vans, num total de 20 veículos, terá fiscalização rigorosa para não concorrer com os ônibus e que o valor da tarifa será a mesma dos dois sistemas.

 

As vans licitadas devem ter catracas, bilhetagem eletrônica e pagar impostos, como já ocorre com os ônibus. O tempo de concessão deve ser definido após apresentação do processo de licitação ao Ministério Público estadual (MPe) e Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), podendo ser de até 15 anos.

Respondendo à perguntas da plateia, o coordenador garantiu que as vans licitadas também devem ter placas de Conquista, dotadas de elevador, câmeras de monitoramento, GPS, obrigadas a transportar gratuidade, a exemplo de idosos e deficientes físicos e que os responsáveis residam na cidade e atendam a todos os usuários. 

"Será da mesma forma que os ônibus", reforçou. Quando indagado sobre seguro para os passageiros das vans, assumiu que essa questão ainda não foi comtemplada no estudo técnico.

Atualmente o sistema de transporte público opera com uma concessionária, Viação Cidade Verde e uma de contrato emergencial, Viação Rosa, além de quase 2 mil irregulares, entre "ligeirinhos", aplicativos e cerca de 500 vans em sistema clandestino. 

Perguntado como ficaria a situação das vans não contempladas na licitação, Silveira sustentou que a Prefeitura iria fiscalizar e apreender os veículos irregulares.

O coordenador também anunciou a implantação, sem definir prazo, de um sistema de biometria facial. "Temos casos detectados de um cartão de idoso com 500 viagens por dia, então a biometria facial irá detectar eventuais fraudes e coibir abusos dessa natureza". 

A audiência pública, no auditório do Centro Municipal de Atenção Especializada (Cemae), contou com a presença do consultor em transporte, engenheiro Antônio Carlos Marchezetti, contratado pela Prefeitura para elaboração de Estudo Técnico, além de secretários municipais, empresários do setor de transporte, pessoas da comunidade e representantes da segurança pública.