Fotografo: Georgina Maynart
...
Sem Legenda

Menos água e mais feijão na panela, e em abundância. A produção baiana de feijão, na chamada segunda safra, que vai de abril a setembro, deve ser 487,5% maior do que no mesmo período do ano passado. Na Bahia, as lavouras cultivadas nesta época do ano devem gerar 123 mil toneladas a mais do que em 2018, alcançado quase 149 mil toneladas. 
 
A estimativa atualizada da safra baiana de grãos foi divulgada nesta terça (10/9) pelo IBGE, com base em dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Os dados indicam resultados praticamente consolidados, já que as principais regiões produtoras estão começando ou encerrando a temporada de colheita, e as variações climáticas já não devem influenciar tanto no volume final produzido.
 
A maior parte da produção de inverno está concentrada na zona rural de municípios do nordeste do estado, como Euclides da Cunha, Monte Santo, Quijingue, Cansação e Adustina. A chuva chegou tardiamente na maior parte dos municípios, mas permaneceu regular ao longo dos últimos quatro meses beneficiando as plantações. Bem diferente do ano passado quando as perdas chegaram a mais de 95%.
 
Em Euclides da Cunha, maior produtor do estado, são mais de 25 mil hectares plantados. Em Adustina os agricultores devem produzir cerca de 6 mil toneladas de feijão.
 
Já em Cansação, quarto maior produtor da Bahia, os produtores rurais esperam obter a melhor safra dos últimos nove anos. O município tem cerca de 3 mil agricultores. Eles cultivam o grão numa área de 14 mil hectares e começaram a colheita há três semanas.
 
LEVANTAMENTO GERAL
 
O levantamento também revelou que deve haver crescimento na produção de 10 das 26 safras de produtos investigados na Bahia.
 
Os agricultores devem produzir 21,6% mais mandioca do que no ano passado, isto significa 329 mil toneladas a mais do que em 2018. O volume total deve chegar a 1,9 milhão de toneladas de mandioca.
 
Bom para os produtores de farinha que utilizam a raiz como ingrediente básico. Cenário favorável também para os consumidores. A partir de agora aumentam as chances de ver o preço do alimento cair nos próximos meses. Por enquanto, a farinha de mandioca tem registrado alta. Só em agosto, o produto subiu 1,41% em Salvador, ainda segundo o Dieese.
 
Como já divulgado pelo AgroBahia em agosto, o levantamento do IBGE também indica que a segunda safra de milho deve registrar um aumento percentual de quase 482,3% em 2018. A “safrinha” de milho deve alcançar 276 mil toneladas em 2019.
 
A safra do algodão continua com crescimento estimado em 17,1%, a de banana deve ser 26,4% maior, e a de amendoim cerca de 15,3% mais alta.
 
Apesar da elevação na maior parte dos produtos, no volume geral a estimativa é de queda. Segundo o IBGE, a safra baiana deve ser 11,5% menor do que em 2018, com redução puxada principalmente pela queda no volume de soja, sorgo, arroz, laranja, cacau e café arábica.
 
BRASIL
 
Ainda segundo os dados, impulsonado pelas culturas de milho e algodão, o Brasil deve fechar a safra 2019 com recorde de 242 milhões de toneladas de grãos, cerca de 6,4% a mais do que na safra passada. Os especialistas acreditam que a aumento na liberação de crédito rural influenciou nos resultados.
 
“O acompanhamento do desempenho de crédito rural nesses dois primeiros meses da safra foi bom. Com prioridade para os pequenos e médios produtores e investimentos em infraestrutura produtiva. Tudo isso se confirmou com aumento substancial no crédito para o médio produtor rural de 28%, e em 14% para o pequeno produtor”, afirma Wilson Vaz, secretário substituto de Política Agrícola do Ministério da Agricultura.