Fotografo: Divulgação
...
Sem Legenda

A cada dia eu me decepciono com professores que desfaz da presença das crianças em ceias, em nome de vaidades e de se aparecerem na ostentação. Triste legado familiar da hipocrisia da farra, querendo dirigir na embriaguez ao volante, dispensando o pôr do Sol, na ilusão da gelada que deixa celeumas de comportamentos sem noção. Da vida que é do respeito do convívio social, para com a natureza, essa já tem motorista escolhido na obediência. Isso sim que é errado Minha Querida mana da titia?

Pois muito bem, uma mesa com crianças é sem dúvidas pensar no futuro, na sustentabilidade da vida. Minha querida, seu sobrinho vem a cada dia sentindo a falta de respeito das pessoas que podem não querer que o sol brilhe para todos, é claro que tem alguns que se queimam na maldade de querer tripudiar em nome da malandragem e da preguiça de se responsabilizar pelos seus atos indigestos de erros sociais, bem como, não saldar a dívida da hierarquia familiar. Minha querida, estamos vendo professores se manifestando por falta de salários e outros compromissos, se embriagando nos erros de gestões, transformando uns melhores que os outros nos recebimentos de salários e se esquecendo na verdade do compromisso de educar, com isso, os conselheiros tutelares se esquecem que a função desse órgão ligado as secretarias de desenvolvimentos sociais é sem dúvida uma profissão eleita para se ter fé e com isso, coragem no compromisso para resgatar crianças e adolescentes nos municípios. Literalmente esses seres humanos com idades para o estado que é laico, cuidar e proteger da condição diabólica e financeira do serviço ao tráfico de drogas, armas e prostituição.

É incrível minha querida e amada titia a falta de respeito que o estado e os municípios vem tendo para com as crianças e adolescentes neste mundo fácil  de monitorar ruas e avenidas, para se ter a certeza que seu sobrinho tem que se continuar assim filmando, vendo observando e se comprometendo simplesmente com acordos escusos de querer passar por cima do pôr do sol. Fazendo vistas grosas aos monitoramentos sem conselhos e sem tutelas.

Do seu Rei da poesia, Eterno Tico