Fotografo: Divulgação
...
Sem Legenda

No dia do Santo da fartura denominado São José, comemorado pelos fiéis da igreja católica hoje dia 19 de março numa tradição de fé e devoção, principalmente pelos agricultores esses   que limpam a terra esperando a chuva para a plantação do milho e do trigo. São José e comemorado com muito louvor em nome da fartura.

Mas este ano a peste invisível pegou o mundo de surpresa minha querida, principalmente aqueles que se usufruíram dos recursos naturais para o enriquecimento das nações que só pensaram nas potências de riquezas e nas armas bélicas, atraindo a impureza e o vírus invisível chamado covid19.

O prefeito Herzem decretou que o são João 2020 não será realizado com promoção da prefeitura de Vitória da Conquista e o presidente recém empossado da (Coopmac) Cooperativa Agropecuária de Vitória da Conquista. Também suspendeu a realização da exposição que comemoraria os 50 Anos de realização.

Isso para prevenir o surto que já está a prova no primeiro mundo com mortalidades e fechamento de fronteiras e comércios nos continentes de potências bélicas. Aqui no Brasil o presidente Bolsonaro depois de levar uma comitiva para os Estados Unidos para se contaminar com o novo Corona Vírus que desencadeou crise na saúde mundial minha querida, tirou onda com a OMS. Titia Bolsonaro disse que a mídia, os jornalistas titia estavam fazendo alarde e histeria com a contaminação dos seus pares e do   mundo e famílias que sofrem enterrando entes queridos. O presidente deu força para a realização de manifestação contra o Congresso Nacional, Senado, Câmara dos Deputados e Supremo Tribunal Federal  mesmo com suspeita de contaminação o presidente da República Federativa do Brasil foi as ruas e cumprimentou sem nenhum exemplo de chefe da nação, festejando e se envaidecendo pegando nas mãos e fazendo selfies com correligionários e apoiadores da manifestação antidemocrática, insultando os poderes constituídos democraticamente

Com desrespeito minha querida Titia, o mito pagou o maior pau de mico de galinheiro, sujou geral e o panelaço comeu no birro. E ontem, ele e oito Ministros deram coletiva falando da gravidade do Corona Vírus titia, nada melhor do que um dia após o outro, com seu General Heleno contaminado e mais uns 13 da sua comitiva também, o homem tirou a máscara e agradeceu os parlamentares David Alcolumbre, Rodrigo Maia e Dias Toffili  minha querida

Titia, que mico um dia pega nas mãos dos loucos antidemocráticos, no outro pede clemencia caindo a máscara da vaidade do poder pelo poder, que dúvida da supremacia da divindade que criou tudo sobre tudo.

Titia o povo tá batendo panela dentro de casa pedindo Fora Bolsonaro!!!, Junto com a doença transmissível desse mito chamado Corona Vírus. Que da Azia em Coca-Cola com sonrisal. Este aí não tem remédio mais não, não tem vacina para mito da desobediência e pagador de vergonha e micos e mais micos nacionais, internacionalmente falando, minha querida. Ele queria fechar o congresso e colocar o quartel que baixa a cabeça para o poder fora da lei, acabou fechando o comércio e tudo mais.

Do seu impoluto sobrinho que tem honra de Rey da Poesia, eterno sobrinho que fez a primeira comunhão na igrejinha de São José na rua Padre Feijó, da minha saudosa Vó Maria Bem Vinda Leite morava lá e a casa dela está intacta na mesma rua. E minha vó avô, mãe e painho moram no meu coração e nunca morreu na minha fé da eternidade Querida Titia, me orgulho de ser amigo eterno do rei do Baião Luiz Gonzaga, que me chamava de Caba da peste.

Esse é o mesmo que nunca vai morrer na fé seu do querido sobrinho que é e sempre foi obediente da condição de que o mundo não para porque a mensagem de hoje e sempre será: Chega de sodomia, respeite o próximo como a si mesmo. Titia querida, hoje tem gente cantando que “fica louco de amor sexual”, mas com medo da peste “não pode namora Gel...”

Esse seu sobrinho Rey da poesia amigo de Codó Curcino de Eça e do Rei do baião que nunca jamais comprou e nem vendeu votos para entrar na profissão da política de aproveitamentos financeiros, mundiais, de decretos de calamidade pública.

Eterno, Tico Oliveira.