Fundado pelo jornalista Tico de Oliveira em 12 de junho de 1987 - E-mail: jornalimpactoconquista@gmail.com

Cidadão Repórter

77 98839-2585
Vitória Da Conquista(BA), Sábado, 16 de Janeiro de 2021 - 20:06
05/11/2020 as 20:15 | Por Correio24Hrs | 242
Uefa pede à Fifa mudança na regra de mão na bola, diz agência
Segundo a The Associated Press, organização europeia pede que árbitros voltem a ter autonomia
Fotografo: Shutterstock/Reprodução
Presidente da Uefa, Ceferin enviou carta à Fifa pedindo mudança na regra de mão na bola

A Uefa enviou um pedido à Fifa para que a regra de mão na bola seja alterada mais uma vez. Em carta assinada pelo presidente da organização europeia, Aleksander Ceferin, a solicitação é para que os árbitros tenham autonomia nos casos, evitando que os jogadores sejam punidos injustamente.
 
As informações são da agência The Associated Press, que teve acesso ao documento, enviado para o presidente da Fifa, Gianni Infantino. Nele, Ceferin pede que a entidade considere permitir que os juízes de campo voltem a determinar se um jogador agiu intencionalmente ou não. 
 
"A tentativa de definir estritamente os casos em que a mão na bola é uma infração resultou em muitas decisões injustas, que foram recebidas com frustração e desconforto pela comunidade do futebol", escreveu Ceferin.
 
A regra foi alterada em março do ano passado. O apelo do presidente da Uefa lembra pênaltis que foram marcados porque as bolas, mesmo que involuntariamente, atingiram os braços estendidos ou levantados dos atletas. E, ainda na visão do dirigente, faz com que gols legais sejam anulados por toques acidentais. 
 
A expectativa de Ceferin é que regra possa ser revista e modificada na reunião da International Football Association Board (IFAB), marcada para o início de 2021. O órgão é controlado pela Fifa e pelas quatro associações britânicas da Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.
 
"Não há vergonha em admitir que, às vezes, as decisões que são feitas para o bem não atingem seus objetivos e devem ser revistas. Fazer isso certamente não prejudicaria os altos méritos e a credibilidade da IFAB".




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil