Fotografo: TV Conquista
...
Sem Legenda

Representantes do Poder Legislativo, sindicatos, Defensoria Pública da Estado e pais de crianças, reuniram-se na Câmara Municipal de Vereadores em Vitória da Conquista na manhã desta quinta-feira (07) para discutir as enormes filas que estão se formando nas portas das escolas e creches municipais em busca de garantir vagas para as crianças. O assunto trouxe a preocupação das entidades por conta do sofrimento dos pais, que chegam a dormir na porta dos estabelecimentos.
 
Apesar do período de matrícula começar a partir de 11 de fevereiro, desde o último dia 27 de janeiro é possível ver imagens de barracas montadas nas portas de creches e escolas nos bairros periféricos. Com a municipalização de escolas estaduais e a descontinuação da oferta da 6a série em muitas escolas, a disputa por uma vaga para os estudantes ficou mais acirrada. Na Creche Municipal do Jurema, enquanto centenas de pais dormem na porta na esperança de uma vaga, uma placa informa que a prefeitura disponibilizou apenas 45 vagas, sendo 38 para 2 anos, 3 exclusivas para alunos de 3 e 4 anos. No bairro Boa Vista, barracas foram montadas na calçada do Centro de Educação Infantil Vila América.
 
Segundo a Prefeitura de Vitória da Conquista, nas creches, a meta de vagas  já é ultrapassada pelo município. A Secretaria de Educação afirma disse por meio de nota que entende ser desnecessário que as pessoas formem filas há uma semana para o início das matrículas. A Prefeitura informou ainda que está reordenando a rede e fazendo intervenções estruturais para alcançar o mais rápido possível a extensão de vagas nas creches do município.Maiores informações podem ser obtidas pelos números 3429-7764 ou 3429-7760.
 
Atualmente Vitória da Conquista conta com quatro prédios que deveriam ser inaugurados no ano passado, mas por conta da falta de pagamento aos fornecedores, suspensos, segundo a prefeitura, por problemas legais envolvendo os processos licitatórios, creches que seriam inauguradas na Lagoa das Flores, Patagônia, Panorama e Miro Cairo estão com as obras paralisadas.