Fundado pelo jornalista Tico de Oliveira em 12 de junho de 1987 - E-mail: jornalimpactoconquista@gmail.com

Cidadão Repórter

77 98839-2585
Vitória Da Conquista(BA), Terça-Feira, 11 de Maio de 2021 - 04:47
14/04/2021 as 20:48 | Por BNoticias | 346
Profissionais da segurança pública e MP criticam proposta de mudança no Código de Processo Penal
De acordo com a manifestação, o texto chega a retomar questões já superadas pelo Supremo Tribunal Federal, como a do amplo poder de investigação do Ministério Público
Fotografo: Reprodução / A critica
Sem Legenda

O gabinete dos profissionais da segurança pública e Ministério Público do Brasil criticaram a condução da Comissão Especial que analisa mudanças no Código de Processo Penal. O parecer foi apresentado nesta quarta-feira (14), pelo relator, o deputado federal delegado João Campos (Republicanos-GO).
 
"Neste momento de pandemia provocada pela Covid-19, em que os Poderes Constituídos estão voltados para salvar vidas da população e não há possibilidade de discussão ampla e democrática na Câmara dos Deputados sobre tema tão relevante e caro à sociedade brasileira, a proposta se apresenta, primeiramente, como absolutamente inoportuna. No mérito, observa-se que, ao invés de trazer à apreciação uma proposta de modernização e agilização da investigação criminal e, por consequência, do processo penal, o relator, mais uma vez, apresenta um projeto de manutenção do status quo, com ainda mais burocracia, menos eficiência investigativa e mais poder concedido a um único cargo que, por coincidência, é o mesmo por ele originalmente ocupado", pontuam. 
 
De acordo com a manifestação, o texto chega a retomar questões já superadas pelo Supremo Tribunal Federal, como a do amplo poder de investigação do Ministério Público, "reduzindo-o a um caráter meramente suplementar e afastando-se, assim, dos parâmetros de constitucionalidade e dos melhores padrões internacionais. Também interfere no poder de investigação de outras importantes instituições". 
 
A nota diz ainda que a entidade se posiciona de forma "veementemente contrária ao relatório apresentado". "Faremos todos os esforços para que a matéria não seja votada nas atuais condições excepcionais e, em caso de sua votação, para que seja modificado o relatório apresentado, em busca da construção de um texto que atenda realmente aos desejos e necessidades da sociedade brasileira. Ressalta-se, que depois de mais de uma década de discussões, debates e sugestões, era de se esperar por avanços no tema, com a superação da crise de eficiência da investigação criminal, e não o reforço de posições manifestamente corporativistas, em proposta de segurança pública, que apenas atende aos interesses de um único cargo da instituição policial, em detrimento de toda a população", finaliza. 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil